Onde estou: Relatórios

Relatórios da Organização Internacional do Trabalho

A segurança e a saúde na utilização de produtos químicos no trabalho

Relatório de 2014

A segurança e a saúde na utilização de produtos químicos no trabalho

A Organização Internacional do Trabalho celebra, este ano de 2014, o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, publicando o relatório subordinado ao tema "A segurança e a Saúde na utilização de produtos químicos no trabalho".

Este relatório refere a importância da coordenação de esforços por parte de governos, empresas e trabalhadores, à escala nacional e internacional, com o objetivo de garantir a gestão racional dos produtos químicos. Pretende-se assim atingir o adequado equilíbrio entre os benefícios da utilização de produtos químicos, a prevenção e controlo de riscos para a saúde, decorrentes da exposição dos trabalhadores, bem como a redução do seu impacto no meio ambiente.

O relatório na versão inglesa poderá ser consultado no menu materais de campanha.
Para consultar o relatório em português, descarregue o ficheiro

. Descarregar ficheiro

A prevenção das doenças profissionais

Relatório de 2013

A prevenção das doenças profissionais

Estima-se que aproximadamente 2,34 milhões de pessoas morrem, por ano, de acidentes de trabalho e doenças relacionadas com o trabalho.

Destas, a maioria, cerca de 2,02 milhões morrem de um vasto conjunto de doenças profissionais. Das cerca de 6300 mortes relacionadas com o trabalho que ocorrem todos os dias, 5.500 são causadas por vários tipos de doenças profissionais. A OIT estima igualmente a ocorrência anual de 160 milhões de casos de doenças não fatais relacionados com o trabalho.

As doenças profissionais causam no mundo do trabalho enorme sofrimento e perdas. No entanto, as doenças profissionais permanecem em grande parte invisíveis, em comparação com os acidentes de trabalho, mesmo matando seis vezes mais pessoas por ano. Para além disso, a natureza das doenças profissionais está em constante mudança devido às alterações tecnológicas e sociais, a par das condições económicas globais que agravam os riscos de saúde existentes e criam novos riscos.

Doenças profissionais, tais como pneumoconioses, continuam a generalizar-se, enquanto doenças relativamente novas como as mentais ou as músculo-esqueléticas tendem a aumentar.


Embora muito progresso tenha sido feito para enfrentar os desafios das doenças profissionais, há uma necessidade urgente de reforçar a sua prevenção no âmbito dos sistemas nacionais de SST.

O esforço de colaboração entre governos, organizações representativas dos empregadores e dos trabalhadores, contribui para que a luta contra esta epidemia oculta assuma um lugar de destaque na nova agenda nacional e global da segurança e saúde no trabalho.

O relatório da OIT preparado para o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho de 2013 descreve a situação atual em matéria de doenças profissionais e apresenta propostas para enfrentar esta grave situação.

. Descarregar ficheiro

Promover a Segurança e a Saúde numa Economia Verde

Relatório de 2012

Promover a Segurança e a Saúde numa Economia Verde

A chamada «economia verde» é cada vez mais o símbolo de uma economia e uma sociedade mais sustentável! Defender o meio ambiente para as presentes e futuras gerações e garantir a todas as pessoas condições de vida e de trabalho mais inclusivas é um dos maiores objetivos da Humanidade!
Neste sentido o avanço para uma economia verde que crie «empregos verdes» e reconverta nesse sentido as industrias e processos de produção será um elemento fundamental para o avanço em direção a um desenvolvimento sustentável.
A iniciativa «empregos verdes» foi lançada em conjunto pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a Organização Internacional do Trabalho, a Organização Internacional de Empregadores e a Confederação Sindical Internacional, visando apoiar políticas ambientais sustentáveis que criem trabalho digno.
Pretende-se nomeadamente que nesta transição complexa de modelo de desenvolvimento as mudanças se façam com apoio adequando aos empregadores e trabalhadores e respetivas organizações, bem como a outros atores sociais e comunidades.
O emprego verde é um trabalho digno que contribui diretamente para reduzir os efeitos do meio ambiente e é exercido no quadro dos princípios da segurança e saúde. Trabalho verde é trabalho digno e seguro!

Os relatórios nas versões francesa, espanhola e inglesa poderão ser consultados no menu materais de campanha.
Para consultar o relatório em português, descarregue o ficheiro

. Descarregar ficheiro

Sistemas de gestão Da Segurança e Saúde no Trabalho: Um Instrumento para uma Melhoria Contínua

Relatório de 2011

Sistemas de gestão Da Segurança e Saúde no Trabalho: Um Instrumento para uma Melhoria Contínua

Durante a última década, a abordagem sistémica de um SGSST popularizou-se e foi introduzida tanto em países industrializados como em países em desenvolvimento. As formas de que a promoção da respectiva aplicação se reveste variam entre as disposições egulamentares e os mecanismos voluntários. A experiência mostra que um SGSST é um instrumento lógico e útil de promoção da melhoria contínua do funcionamento da SST a nível organizacional. Os elementos chave para que a sua aplicação seja bem sucedida passam por assegurar a existência de compromissos da parte da direcção e a participação activa dos trabalhadores na implementação
conjunta. Espera-se que cada vez mais países integrem o SGSST nos programas nacionais de SST, como um meio de promover estrategicamente o desenvolvimento de mecanismos sustentáveis para aperfeiçoamentos de SST nas organizações.

. Descarregar ficheiro

2010 – Riscos emergentes e novas formas de prevenção num mundo de trabalho em mudança.

Relatório de 2010

2010 – Riscos emergentes e novas formas de prevenção num mundo de trabalho em mudança.

Nos últimos anos têm surgido riscos novos e emergentes causados por inovações técnicas e mudanças sociais ou organizacionais, tais como: as novas tecnologias, novos processos de produção (e.g. nanotecnologias e biotecnologias), as novas condições de trabalho com cargas de trabalho mais elevadas, intensificação de tarefas devido à redução de efectivos, más condições associadas à migração, empregos na economia informal, formas emergentes de emprego, como o emprego independente, a subcontratação ou os contratos temporários.
Estes riscos podem ser mais facilmente reconhecidos através de uma melhor compreensão científica, por exemplo, os efeitos dos riscos ergonómicos nas perturbações músculo-esqueléticas, e os efeitos dos factores psicossociais sobre o stress no trabalho.

. Descarregar ficheiro

Desenvolvido por BLUE.advt © copyright ACT - todos os direitos reservados.
Compatível com IE7, optimizado para IE8, Firefox e Chrome